MPB

Adoniran Barbosa – 110 anos

Quando eu era criança me divertia muito com os comerciais da cerveja Antartica protagonizados por um senhor engraçado, de bigode e chapéu com seu irretocável bordão “Nós viemo aqui pra beber ou pra conversar?” Logo aprendi, por intermédio de meus avós de que se tratava de Adoniran Barbosa, um gigante da Música Popular Brasileira, patrimônio de uma São Paulo pobre que ainda vive. Nos dias de hoje, um Adoniram provavelmente seria um rapper a cantar as mazelas de quem vive na periferia. Nesta quinta-feira (6) completam-se 110 anos de seu nascimento. Cantor, ator, radialista, Adoniran espalhou talento por qualquer projeto a que se dedicasse. Humilde e baita contador de histórias, uma brasileiro que faz falta. Abaixo, reproduzo texto do jornalista Luiz Cláudio Ferreira, da Agência Brasil, com oportuna homenagem ao amigo do Arnesto, que pegou o trem das onze em 1982 e nos faz muita falta. E o se o senhor num tá lembrado, licença, nóis vai falá de Adoniran:

Por Luiz Cláudio Ferreira
Agência Brasil

Adoniran no Viaduto do Chá. O artista era parta da paisagem paulistana – Foto: Reprodução

Como não ter uma baita de uma réiva de ir em um samba quando não encontremo ninguém? Ainda mais se esperava tomar uma frechada do olhar da pessoa amada. Um coração que vira uma táubua de tiro ao álvaro, que não tem mais onde frechar. Não adianta. Tem que ir embora, o último trem é agora às 11 horas. Em ritmo de diversão e nostalgia, os versos e os batuques ternos de Adoniran Barbosa (nome artístico de João Rubinato), que nasceu em 6 de agosto de 1910 (há 110 anos, em Valinhos-SP), ousavam.

Ele criou um tipo de samba paulistano que enaltecia a memória e o cotidiano de imigrantes pobres e seus descendentes. Gente de sotaque misturado e italianado, com as dificuldades dos operários que ajudavam a construir a maior cidade do Brasil. Canções que traziam temática social, como a falta de habitação, a saudade e as dores da maloca. A música que fez o país identificar bairros como Brás, Mooca, Bixiga, Jaçanã e Casa Verde, por exemplo, é reconhecida como marco na história do samba, legado de um artista que brincava com os plurais e se consagrou como singular. Para quem estudou o sambista, tem outras coisa, vortemo ao acervo e ao tempo. Ói nois aqui traveiz, como cantava. Adoniran morreu em 1982.

Para o cineasta Pedro Serrano, que dirigiu o filme Adoniran – Meu nome é João Rubinato, ainda hoje visitar e ouvir a obra do músico é reconhecer uma identidade nacional. “É muito importante que pessoas que não tiveram contato (como os mais jovens) possam saber mais sobre quem foi o artista”, disse. Serrano afirma que se aproximou da história de Adoniran ainda na infância. Inicialmente, realizou o curta metragem de ficção Dá licença de contar, baseado em personagens da música Saudosa Maloca.

Adoniram e Elis: a irreverência do compositor cativou a ‘Pimentinha’ – Foto: Reprodução

O documentarista, de 33 anos, revela que tem um projeto no forno para transformar esse curta em um longa, para explorar mais personagens e a riqueza da obra do sambista. “Tem que saber falar errado”. “Eu sempre gostei de samba. Ninguém queria nada com as minhas letras. Tem que saber falar errado”, dizia o artista.

O sucesso das crônicas sociais de Adoniran por meio da música veio na década de 1950 quando o grupo Demônios da Garoa cantou Saudosa Maloca. Em 1964, Trem das Onze levou o grupo ao auge. Em 1980, a consagrada cantora Elis Regina emprestou nova interpretação para Tiro ao Álvaro, que você ouve aqui com a gente:

“Eu faço samba dos meus bairros”. O programa Na trilha da história, da Rádio Nacional, traz trechos do acervo que destacam a irreverência e o pensamento do artista. No mesmo programa, veiculado em fevereiro deste ano, o cineasta Pedro Serrano, diretor do documentário sobre Adoniran, explica as invenções como em Samba do Arnesto (1953). “Ernesto existiu mesmo, mas a história não foi como está na música”. Ernesto jura que nunca falhou com o compromisso com Adoniran. A história foi criada pelo sambista. Veja aqui uma gravação para o icônico samba em 2005, durante o programa de Hebe Camargo:

Rejeitado como cantor

Serrano conta que Adoniran foi rejeitado inicialmente como cantor. “Ele entra na rádio como locutor de carnaval. Fazia de uma forma bem humorada e assim se destaca, se torna depois uma grande estrela como radioator cômico”. O cineasta detalhou também a importância da parceria com o grupo Demônios da Garoa, que ecoou as canções. “Eles fizeram com que Saudosa Maloca (música de 1951) ficasse conhecida. Inicialmente, a música não fez sucesso algum. A interpretação diferente, que era gaiata, se tornou um sucesso”.  A música, que conta a história de um despejo, ganhou novo tom. O diretor reconhece que Elis Regina (que morreu também em 1982) trouxe um olhar sensível e até melancólico para a música de Adoniran. Confira aqui o programa 

A obra de Adoniran também foi visitada pelo programete História Hoje, da Rádio Nacional. Na edição, um dos destaques é que, em São Paulo, o músico participou de programas de calouros no rádio, quando escolheu o nome artístico em homenagem ao seu melhor amigo e ao cantor Luis Barbosa, ídolo do sambista. O caminho do sucesso começou em 1934 com a música Dona Boa. Ele conquistou o primeiro lugar no concurso carnavalesco promovido pela cidade de São Paulo. Em seguida, trabalhou por mais de 30 anos na Rádio Record como ator cômico, discotecário e locutor. Clique aqui para ouvir o programa

A TV Brasil também destacou que Adoniran cantou a cidade de São Paulo como ninguém. “Prefiro falar peguemo do que pegamos. Prefiro falar fumo do que fomos”, apontou o sambista. A reportagem mostra as homenagens que o artista recebeu no bairro do Bixiga, onde há, inclusive, um busto de Adoniran. Confira abaixo a reportagem:

Por falar em história e nostalgia, outra reportagem da TV Brasil destacou o que seria o “trem das 11”, imortalizado na canção de Adoniran Barbosa. A estrada de ferro, que passa pelo bairro da Jaçanã, tinha um percurso do centro de São Paulo até Guarulhos, na região metropolitana. O trajeto funcionou por mais de 50 anos. “Mas o trem das 11 não existia. O acerto que Adoniran fez foi para a música”, diz Sylvio Bittencourt, que mantinha um museu no Jaçanã com a história do lugar.

Busto de Adoniran, no Centro de São Paulo – Foto: Reprodução/ Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

Em 2018, Adoniran Barbosa recebeu homenagem póstuma como Cidadão Paulistano. Também teve sua imagem imortalizada em busto esculpido pelo artista plástico Luis Morrone na Praça Dom Orione, no Bixiga, um dos bairros mais cantados por ele.

O compositor, que homenageou a cidade com letras trocadas e batuques em ritmo irreverente, inventava histórias e palavras. A ficção era a construção artística para falar “errado” e do que passava à sua volta. Manuel Bandeira, na década de 20, também enalteceu a linguagem das ruas: “A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros vinha da boca do povo, na língua errada do povo. Língua certa do povo”. A melancolia e a graça din-din donde nóis passemo dias feliz de nossa vida, como é a arte imortal de Adoniran Barbosa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *