DuetosMPB

Álbum de duetos de Gal Costa ganha mais dois singles

Gal Costa

Gal Costa está prestes a lançar um álbum. Ainda sem título definitivo, o projeto foi batizado pela cantora com o nome provisório de “Gal 75”, uma alusão à idade completada em setembro. No fim de novembro, a cantora antecipou mais dois singles do álbum de duetos. As faixas serão lançadas em dupla até a conclusão do álbum, que estará completo e também lançado em formato físico pela Biscoito Fino em fevereiro de 2021.

Depois das participações de Rodrigo Amarante e Zeca Veloso, os dois novos singles trazem as colaborações de Seu Jorge e Zé Ibarra. Com o primeiro, Gal revisita “Juventude Transviada”, um clássico de Luiz Melodia e gravado por ela em 1979 no álbum “Gal Tropical”.

“No momento em que decidimos ter essa canção no projeto, pensamos que seria fundamental convidar um artista que tivesse um entendimento profundo não apenas da obra, mas também da persona de Luiz Melodia. A imagem de Seu Jorge surgiu imediatamente em nossas cabeças. Mesmo antes de lembrarmos dos dois em ‘Casa de Areia’, o filme de Andrucha Waddington, em que Seu Jorge e Melodia interpretaram o mesmo personagem, em idades diferentes. Tudo fez mais sentido”, conta o produtor Marcus Preto, idealizador do projeto.

As participações especiais de “Gal 75” foram gravadas em diversas cidades (Rio, São Paulo, Vitória, Lisboa, Madrid e Los Angeles) face a necessidade de distanciamento social e Preto Preto guarda uma história curiosa sobre a participação de Seu Jorge. “Ele gravou a voz e o violão em seu estúdio, em São Paulo, sem que a Gal soubesse ainda dos detalhes do arranjo. Quando ouviu a base pronta, duas semanas depois, ela ficou completamente hipnotizada com os graves de seu convidado, soando duas oitavas abaixo da voz dela na primeira parte da canção. Seu Jorge traz Melodia sem jamais tentar se parecer com ele, isso é genial”, destaca.

Com Zé Ibarra, Gal regrava “Meu Bem Meu Mal”, de Caetano, originalmente incluída em “Fantasia” (1981). Filho de mãe chilena e pai carioca de origem baiana, Ibarra é vocalista, tecladista e um dos compositores da banda Dônica. Pela voz de Zé Ibarra, Gal se apaixonou quando o ouviu ao lado de Milton Nascimento no show da turnê “Clube da Esquina” (2019), no qual cantava com Bituca em boa parte das canções. Ibarra assume o piano da gravação.

Ainda participarão de “Gal 75” Criolo, Rubel, Tim Bernardes, o português António Zambujo e o uruguaio Jorge Drexler completam a lista. E enquanto o álbum de duetos não chega, fiquem com uma apresentação do último espetáculo de Gal Costa: “A Pele do Futuro”, de março de 2019, durante duas apresentações na Casa Natura Musical (SP). Com direção de Marcos Preto, o show virou DVD da Biscoito Fino e é dividido em três atos: o primeiro concentra as canções escritas à sombra da ditadura militar dos 1960 e 1970; o segundo bloco agrupa as canções de amor e desamor e o terceiro traz uma série de temas dançantes. Gal arrebata a plateia e banda é afiadíssima:

Deixe uma resposta