JazzTango

Astor Piazzolla, o santo maldito

astor piazzolla
Por Lipe Portinho*
Especial para o Na Caixa de CD

Poucos sabem, mas a música salvou o mito, quase centenário, Astor Piazzolla, (1921-1992) de um caminho tortuoso. “A vida deste grande músico é muito menos conhecida do que a sua obra, e revela uma personalidade um tanto violenta, um jovem ligado a gangues e ao boxe de rua, e uma forma de ser pai que pelo menos Daniel, um dos seus dois filhos, sofreu por anos”, afirma sua biógrafa Lorena Basques.

Piazzolla nasceu na cidade de Mar del Plata, em 1921, e em sua casa falava-se italiano. Uma má formação em sua perna direita gerou algumas intervenções cirúrgicas desfavorecendo o gênio para os esportes. Com uma primeira infância muito dura, sua família mudou-se para Nova York quando ele tinha quatro anos de idade. Aqueles primeiros anos passados no Atlântico Sul ficaram em sua memória para sempre e podemos ouvi-los até hoje em sua obra.

Piazzolla com o bandoneon: estranhamento inicial com o instrumento
Piazzolla com o bandoneon: estranhamento inicial com o instrumento – Foto: Reprodução

Em Nova York, pediu para seu pai comprar-lhe uma gaita, mas este, no trajeto para a barbearia onde trabalhava, encontrou um bandoneon numa loja de penhores por 19 dólares, uma pechincha. Astor, de 8 anos de idade, receberia o presente com um misto de decepção e curiosidade, o que marcaria a vida do jovem de forma definitiva.

Veio a grande depressão de 1930 e sua família tentou voltar à Argentina sem êxito. Continuaram em Nova York, mudando-se de casa em casa, e Astor, que ia de escola em escola, aumentou sua atração pelas ruas. Ele se juntou a uma gangue e foi tão destacado nas lutas de rua que ganhou o apelido de “canhoto” por seus socos com a mão esquerda. Foram anos onde ele aprendeu a ser corajoso, o que também é uma marca visível em sua obra. Em 1933, a música o afastou de ser um marginal. Começou a estudar com o pianista Bela Wilda, discípulo de Rachmaninov, que, entre outras notas, o ensinou o gosto por Bach.

O pequeno Astor contracenou com o astro Gardel no filme 'El Dia Que Me Quieras' - Foto: Reprodução
O pequeno Astor contracenou com o astro Gardel no filme ‘El Dia Que Me Quieras’ – Foto: Reprodução

Nesta época, Carlos Gardel esteve nos EUA, e o pequeno Astor, com 13 anos, foi seu guia pela Big Apple, pois o gênio do tango não falava inglês. A amizade com o ídolo lhe rendeu uma ponta no filme “El día que me quieras” (1935). Na festa de lançamento da película, acompanhou Gardel ao bandoneon e este profetizou seu futuro conflituoso: “Você toca fole como um virtuose, mas tango como um galego”.

Meses depois, Gardel o convidaria para tocar em sua turnê pelas Américas, e Astor teve a vida salva pelos pais e o American Federation of Musicians, sindicato mafioso americano, que o impediram de ir. Essa viagem acabaria no famoso desastre aéreo de Medellín, Colômbia, em 24 de junho de 1935, quando Gardel e seu companheiro, e parceiro brasileiro, Alfredo Le Pera, faleceram. Um ano depois a família Piazzolla voltava a Mar del Plata e nosso gênio começaria sua luta com os nativos que o estranhavam por seus hábitos e aparência gringa. Dentro do tango admirava os outsiders, como o sexteto de Elviro Vardaro, que nunca conseguiu ser contratado pelas majors da época. E começou seu primeiro ensemble, Quarteto Azul, imitando Vardaro, que, por ironia do destino, foi um de seus violinistas anos mais tarde. Aos 17 anos, Piazzolla mudou-se para Buenos Aires.

Alberto Ginastera, considerado o Villa-Lobos argentino - Foto: Reprodução
Alberto Ginastera, considerado o Villa-Lobos argentino – Foto: Reprodução

A cidade portenha o ensinou a ser mais argentino e lá pôde tocar com tangueiros mais tradicionais, como Aníbal “Pichuco” Troilo, e ainda conhecer artistas internacionais que excursionavam pela capital. Era uma época de glória e pujança capitalista na Argentina e, dessa forma, Arthur Rubinstein esteve com ele e conheceu suas composições, deixando o conselho de que voltasse a estudar. Piazzolla o fez com o “Villa-Lobos argentino”, Alberto Ginastera (1916-1983), até 1945 – mesma época em que ele começa sua primeira orquestra, Del 46, com uma música muito modernosa e esnobe para a tradição.

Sem dúvida o ruído midiático causado por sua modernidade o ajudou a aparecer, às vezes mal, no cenário musical. Ele foi acusado de ser exigente, louco e de se comportar pessimamente. Tudo isso o exauriu e, na década de 1950, Astor dissolveu sua vida de tangueiro noturno dedicando-se ao piano, à composição e à orquestração. Em 1953, o Concurso Fabien Sevitzky definiria seus próximos passos. Com a obra “Buenos Aires (Três movimentos sinfônicos)”, Piazzolla ganhou o primeiro lugar.

Este prêmio, além de lhe dar notoriedade pelas discussões que se faziam por ele ter colocado bandoneons na orquestra, lhe deu uma bolsa de estudos em Paris e, como consequência, a oportunidade de estudar com Nadia Boulanger, grande expoente da pedagogia musical mundial do século XX. Reza a lenda que Boulanger costumava dizer que suas composições eram corretas, mas careciam de sentimento e que, quando as ouvia, pareciam impessoais. E quando um dia Piazzolla se abriu e lhe mostrou o “Triunfal”, um de seus tangos no bandoneon, ela recomendou que ele nunca abandonasse aquela música, porque ali estava o verdadeiro espírito de Piazzolla. Voltou a ser bandoneonista. Ouça a canção em gravação de Astor Piazzolla com sua orquestra:

Ao chegar de Paris, ao fim de um ano, Astor estava decidido a se fazer ouvir, “bajé del barco con una carga de dinamita en cada mano, por decirlo así…”. Aí vieram as gravações que nós conhecemos, com guitarra elétrica, e influências universais. Entre muitos fracassos e pequenas glórias, em 1958, ingressou em uma companhia de tango com a qual fez turnês de sucesso por Porto Rico e Estados Unidos. Durante uma das viagens em Porto Rico, Astor recebeu uma notícia muito triste: aos 66 anos, seu pai, Vicente, havia morrido em Mar del Plata. De volta a Nova York, Astor compôs uma de suas peças mais conhecidas e emocionantes, em homenagem a seu pai: “Adiós Nonino” – apelido de seu pai. Veja aqui o gênio do bandoneon interpretando o tema com a Orquestra da Rádio Colônia, da Alemanha:

Nos anos de 1960, Astor Piazzolla ganhou o mundo, se separou da primeira mulher. Nos 1970, casou-se com a cantora Amelita Baltar, com quem gravou a consagrada “Balada para un Loco”. Veja uma interpretação de Amelita Baltar para esta canção, gravada em 2012:

Astor Piazzolla surpreendia os músicos trocando partituras minutos antes das apresentações - Foto: Reprodução
Astor Piazzolla surpreendia os músicos trocando partituras minutos antes das apresentações – Foto: Reprodução

Astor Piazzolla não era uma pessoa fácil, seus músicos muitas vezes colecionaram mágoas, seus pianistas eram surpreendidos por pegadinhas, como a troca de partituras no último segundo antes de entrarem num concerto. Ele parece nunca ter esquecido a dureza das gangues de rua de Nova York. Depois de morar em Roma, exilou-se da ditadura argentina no México. E só foi aclamado em sua terra natal, de fato, na década de 1980, quando já morava no Uruguai, apenas dez anos antes de morrer.

A vida de Piazzolla, que faria 100 anos em 2021, é um grande exemplo de adaptação ao mercado musical, do dia em que empunhou um bandoneon ao último ato. Sempre se sentiu um gringo em qualquer lugar onde esteve. Muitas vezes incompreendido pelas pessoas de seu tempo, nunca desistiu de seu país original, a música. Pois era um “santo maldito” que, como muitos gênios dessa arte, vieram de outro tempo no futuro. Ouça aqui a íntegra de “Libertango” (1973), um dos mais consagrados álbuns este artista:

*Maestro, contrabaixista, diretor de cinema e produtor de TV

Veja mais em:

Astor Piazzola e seu regionalismo universal

Deixe uma resposta