MPB

Chico César e seus dias na pandemia

Chico César - Foto: José de Holanda

Milton Nascimento já dizia que todo artista tem de ir aonde o povo está, mas se todos estão em casa como ir até o povo, seu público. Os dias de pandemia e isolamento social não serviu para essa inibir essa conexão. Pelo contrário. Se você der um pulinho nos perfis de seus artistas preferidos nas redes sociais, certamente vai se deparar com eles batendo papo ou fazendo um show intimista de dentro de casa. Mas isso não é novidade para Chico César.

Paraibano de Catolé do Rocha, radicado em São Paulo mas cidadão do mundo, há tempos o cantor e compositor tem esse tipo de relação com seu público. Muito antes da febre e do modismo das lives, era comum vê-lo em seu Instagram apresentando novas criações em primeira mão aos fãs. Uma das canções mais executadas de seu mais recente álbum, “O Amor é um Ato Revolucionário” (2019), é “History”, cujo clipe foi editado a partir de pequenos videos que fãs mandaram de todo o Brasil cantarolando versos contemporâneos como “Eu tô ligado que você visualiza meu story / Quer saber da minha vida / Se eu tô bem, se eu tenho alguém / Algum amor em vista / Quer saber se eu amor ainda”.

De sua casa, o poeta acredita que os brasileiros sairão da pandemia tão divididos quanto entrarem nela. “Tanto é que uns ficam em casa e outros não; uns entendem a gravidade do problema e outros acham que é só uma gripezinha; uns priorizam a vida e outros, a economia”, disse em entrevista ao Na Caixa de CD que você acompanha abaixo:

O cantor compositor Chico César - Foto: José de Holanda/Divulgação
Muito antes das lives, Chico César já usava as redes sociais para mostrar novos trabalhos aos fãs – Fotos: José de Holanda

Esse autoexílio ao qual muitos de nós nos impomos influiu no seu processo criativo? Você está compondo mais nesse período, sentindo uma necessidade de se manter ativo, ou isso praticamente não mudou?
Chico César – Eu tenho tido mais tempo livre para compor e, involuntariamente até, por não encontrar as pessoas, por não poder conversar pessoalmente com elas, sinto necessidade artística de abordar esses temas. Compondo, que é minha forma de conversar com o mundo.

E como tem sido sua rotina nesses dias? Passou a fazer algo diferente do que seus hábitos costumeiros?
Chico César – Respondo entrevistas, faço lives, componho, tenho pilates pela internet, tomo sol, alimento os animais da casa, cozinho, limpo a casa. É isso.

Na nova safra de canções escritas nesse período e que falam desses dias de isolamento está “Se essa praga morresse”… Muitos fãs fizeram associações imediatas não só com o vírus, mas com o presidente da República. Foi deliberado ou é uma interpretação do público?
Chico César – Melhor deixar que o ouvinte faça sua própria leitura…

No segundo semestre estava previsto a estreia de seu espetáculo com o Geraldinho Azevedo… Queria saber mais sobre como nasceu esse encontro. A pandemia atrasou o cronograma do espetáculo?
Chico César –
O show com o Geraldo, o “Volinvoz”, nasceu de uma noite em que ficamos tocando violão na cozinha de minha casa. A base do repertório são nossas canções conhecidas mas há também algumas parcerias inéditas.

Que outros projetos você estava tocando até tudo parar?
Chico César – Além desse duo com o Geraldo Azevedo, tenho o show “O Amor é um Ato Revolucionário”, que deve voltar pra estrada. E também algumas apresentações esporádicas do show do “Aos Vivos”, meu primeiro disco, que completa agora 25 anos.

E, finalmente, como você acha que saíremos dessa? É estranho estarmos encarando uma crise de proporções globais,  que põe a vida humana em xeque, e nem assim os brasileiros conseguem se unir através de valores como  o respeito e a solidariedade. Como você está vendo isso?
Chico César – Nada disso que estamos vivendo foi capaz de unir os brasileiros. Tanto é que uns ficam em casa e outros não; uns entendem a gravidade do problema e outros acham que é só uma gripezinha; uns priorizam a vida, e outros a economia. Sairemos divididos, como entramos. E isso não é bom nem ruim, é nosso processo.

Ouça aqui o álbum “O Amor é um Ato Revolucionário”, um trabalho que une o lirismo e a ira santa do poeta de Catolé do Rocha:

 

Deixe uma resposta