Coluna do Aquiles

Diogo Monzo, um pianista erudito com alma popular

Por Aquiles Rique Reis*

Capa do álbum 'Sebastiana', de Diogo Monzo
Capa do álbum ‘Sebastiana’, de Diogo Monzo

O pianista, compositor e arranjador Diogo Monzo acaba de lançar “Sebastiana” (Biscoito Fino), nas plataformas de música. Acompanho sua trajetória desde que ouvi e comentei dois de seus discos: “Filhos do Brasil” e “Luiz Eça por Diogo Monzo”, álbuns que revelam a admiração de Monzo pelo imenso Luiz Eça.

O álbum atual reforça minha admiração por Luiz Eça e por Diogo Monzo, ele que vem com um trio de responsa – ele (piano), Bruno Rejan (contrabaixos acústico e elétrico) e Di Stéfano (batera), além da participação da violonista Roberta Mourim.

A tampa abre com “Song for Sebastiana” (Diego Monzo), homenagem de Diego Monzo à sua vó falecida recentemente em decorrência da Covid-19.

Vamos lá! Um acorde do piano antecipa desenhos arrítmicos. E lá vai ele teclando belas notas de saudade. Ainda que um pouco esquecido pela mixagem, o baixo acústico segura a onda. A batera vem com vassourinhas. O contrabaixo marca a levada. Apoiado pelo baixo e pela batera, o piano volta a improvisar, o que faz com o requinte de um músico erudito&popular. A linha melódica é rica em harmonia, preenchendo a levada com o luto da lembrança. O contrabaixo sola e ganha merecido destaque. O piano volta ao improviso. O contrabaixo sola e assume o protagonismo por alguns compassos. Logo o piano retoma o improviso. O trio se ajunta, e com o vigor de instrumentistas virtuosos, vai ao final.

“Segredos” (Diogo Monzo) tem novamente o trio como responsável pela excelência sonora. O piano carrega a levada. A batera garante o ritmo do samba. O contrabaixo elétrico marca a levada com a segurança de um bamba. A batera garante o suingue. O contrabaixo elétrico sola e conduz o tema até a tampa fechar.

“Pas de Deux” (Monzo e Fernanda Quinderé) inicia com os pratos da batera triscados de forma precisa e inspirada por Di Stéffano. O contrabaixo acústico destaca seu poder de valorizar desenhos e marcações que engrandecem a melodia e a harmonia. A música é linda – e o trio mantém a altivez e a reverência com que toca em louvor a Luiz Eça.
A tampa fecha com “Mangaba” (DM). Alternados, improvisos ensandecidos vêm com tudo. Acelerada, a levada é de perder o fôlego. Meu Deus!

Enalteço Diogo Monzo: ele produz sensibilidade pela ponta dos dedos! Com ela expressando sua admiração pela diferenciação harmônica.
“Sebastiana” é um dos grandes álbuns instrumentais do ano.

FICHA TÉCNICA

Direção musical, Diogo Monzo
Produção musical: Diego Monzo, Di Stéffano e Bruno Rejan
Pprodução artística: Fernanda Quinderé
Gravação, mixagem e masterização: Lucas Ariel e Jerônimo Orselli
Capa e capa do encarte: Pérola Bonfan
Projeto gráfico: Nário Nascimento
Fotos: Igor Gripp

*Vocalista do MPB4 e escritor

Deixe uma resposta