hip hop

Festival Terra do Rap aposta no intercâmbio entre rappers lusófonos

O que a língua uniu um oceano separou. Seja pela desconfiança mútua entre a ex-colônia e sua antiga metrópole é fato que as conexões entre Brasil e Portugal nem sempre são bem sucedidas. Reescrever essas histórias e aproximar os países de língua portuguesa, através de novas vozes, é a maior ambição do Festival Terra do Rap. A versão on-line do evento, por conta da pandemia, não foi impeditivo à realização do evento este ano. Pelo contrário, possibilitou maior envolvimento e abrangência de artistas.

Produzido e idealizado pelo rapper Vinicius Terra, a Terra do Rap é o primeiro festival de intercâmbio entre os países da língua portuguesa sob a ótica da cultura urbana. Desde sua origem, em 2013, integra artistas de todos os territórios lusófonos do planeta. “Os artistas convidados para esta edição são, em sua maioria, artistas talentosos ainda sem grande alcance num mercado fonográfico hoje conduzido por algoritmos e busca por visualizações, curtidas e engajamentos na internet.
“Promover este ano o encontro de novas vozes, ainda invisíveis ao streaming nos diversos aplicativos de música é poder também não só amplificar essas vozes, mas aproximá-las também neste intercâmbio sobre o que cada um pode contribuir no tocante a novas formas de propagar e promover a sua própria arte”, reflete Vinicius Terra, considerado pelos seus pares o embaixador do rap lusófono no Brasil.

terra do rap
Da esquerda para a direita, Juju Rude, Soul Full, Vinicius Terra, DJ Tamy, Natalia Brambila, MC Martina, My (ABronca) e Jaynashe (ABronca) – Fotos: Eduardo da Matta

Entre os destaques do Festival está o show de abertura neste domingo (28) exclusivamente com mulheres, a Fita Misturada On-line (uma espécie de “live-mixtape”, na qual todas as artistas realizam performance inéditas, em oito horas de programação). O evento estará sob o comandado de Natália Brambila (comunicadora nascida e criada na comunidade do Jacarezinho) e a Dj Tamy (atuante no festival desde a primeira edição).

Das 15 artistas que se apresentarão, as performances mais esperadas são as de Thai Flow (ex- stripper); Juju Rude (de Parada de Lucas), Cold Jas (angolana residente no Rio), ABronca (dupla da favela do Vidigal), Kaê Guajajara (rapper indígena da Aldeia Maracanã) e das poetas Viviane Laprovita, (também artista visual, de São João de Meriti) Andrea Bak (integrante do Slam das Minas).

“A cena mais criativa e original tem vindo da ala feminina no rap. Há uma preocupação estética pautada na quebra de paradigmas sociais impostos desde sempre ao papel da mulher. Percebi que boa parte das mulheres convidadas para esta edição não possuem a facilidade de produzir lives remuneradas ou com uma estrutura digna para alcançar novos públicos e propagar sua arte com o merecido alcance. Resolvemos que a abertura do Festival deste ano fosse com o maior número possível de mulheres do rap lusófono residentes no Rio de Janeiro”, comenta Vinicius Terra, também curador do evento.

FESTIVAL TERRA DO RAP 2021 – edição on line

Toda programação será divulgada em  https://youtube.com/c/TERRADORAP

Conteúdos extra serão divulgados em https://instagram.com/terradorap?igshid=18558idh7qrgy

28/2 – Show de abertura: Fita Misturada On-line, das 14h às 22h

Com: Thai Flow, Juju Rude, Lis MC, Cold Jas, Ikinya, A Bronca, Helen Nzinga, Kaê Guajajara, SoulFull e Afrodite BXD

Participação das poetas Víviane Laprovita, Andrea Bak, Winona Evelyn, Sabrina Azevedo e Sabrina Martina

Mestres de cerimônia: DJ Tamy & Natália Brambila

DEBATES

Sessão Ideias & Ideais, sempre às 20h

Segundas e quartas (8, 10, 15, 17, 22, 24, 29 e 31 de março)

OFICINAS

Sessão Ciência da Consciência, sempre às 20h

Terças e quintas (9, 11, 16, 18, 23, 25, 30 de Março e 1º de abril)

LANÇAMENTOS

9 de abril – Videoclipe/Cypher (mixtape Terra do Rap, com registros de músicas produzidas durante o festival)

LIVES

17 e 18 de abril – Fita Misturada On-Line

ENCERRAMENTO

22 de abril – Prêmio Terra do Rap (Personalidades da Nova Lusofonia) e lançamento da Galeria Lusófona de Arte de Rua (street view)

Deixe uma resposta