Boca Livre ressurge em álbum de Rubén Blades

Rubén Blades gravou com o Boca Livre
Pasieros - álbum de Rubén Blades com o Boca Livre
Capa de Pasieros – álbum de Rubén Blades com o Boca Livre

Há cerca de um ano, em plena crise da pandemia, polêmicas de cunho político e profissionais cessaram as vozes de um dos mais célebres conjuntos vocais brasileiros: o Boca Livre. Zé Renato, David Tygel, Lourenço Baêta e Maurício Maestro vêm tocando seus projetos pessoais e dificilmente reunirão novamente seus timbres em novos trabalhos. Mas sob as bençãos de um ídolo da música latina, reaparecem em “Pasieros” (Parceiros), álbum do panamenho Rubén Blades gravado em 2011, mas que só agora chega aos mercados nacional e internacional.

Admirador confesso de nossa música, o panamenho que renovou a salsa com sua temática engajada cercou-se de instrumentistas brasileiros e do próprio Boca Livre cuja participação nas 11 faixas não pode ser vista como um coral de luxo para as canções de Blades. Aliás, vale ressaltar que o quarteto brasileira canta tão lindamente em espanhol quanto em sua língua nativa. Trata-se de trabalho a seis mãos em que o quarteto divide o protagonismo com o premiado artista latino.

“Meu respeito e amor pelo Boca Livre representa meus sentimentos por toda a música feita no Brasil que tanto apreciei por todos esses anos. Eles me ensinaram e me emocionaram. Ter gravado, trabalhado e excursionado com o Boca Livre é até hoje um dos pontos altos da minha carreira”, testemunha Blades, que diz ter ouvido um grupo vocal brasileiro pela primeira vez em 1966: o Jongo Trio. “A partir daquele momento, meu desejo de gravar com um conjunto semelhante cresceu até que finalmente tornou-se uma realidade”, completa.

“‘Pasieros’ descreve nosso amor, alegria e respeito uns pelos outros, por todas as músicas e por todas as pessoas. Expressamos essas emoções através das músicas deste álbum”, anima-se o panamenho.
O trabalho foi gravado com músicos brasileiros como João Carlos Coutinho e (piano), Jorge Helder (baixo), Carlinhos Sete Cordas (violão 7 cordas), Wanderson do Cavaco (cavaquinho), Iura Ranevsky (violoncelo), Chiquinho Chagas (acordeon), Jessé Sadoc (trompete) e um time impecável de bateristas e percussionistas com Pantico Rocha, Robertinho Silva, Marcelo Costa, Marcos Suzano e Marçalzinho. E, de quebra, uma participação especialíssima de um ícone do jazz latino, João Donato, tocando piano na faixa “Buscando Guayaba”.

Zé Renato, Maurício Maestro, David Tygel e Lourenço Baêta dissolveram o Boca Livre em 2021 – Foto: Leo Aversa

O repertório de “Pasieros” passeia ainda por canções emblemáticas do cancioneiro de Rubén Blades como “Vida”, “Día a Día”, “Aguacero”, “Dime” e a épica “Pedro Navaja”. “Pra nós é uma alegria e honra imensa estar ao lado desse artista incrível”, afirma Zé Renato. “Lindo trabalho esses grandes músicos fizeram nos presenteando com suas interpretações e seu coração, podemos sentir isso em cada faixa”, arremata David Tygel.

No Brasil “Pasieiros” foi lançado apenas nas plataformas digitais e ganhou uma versão português, batizada de “Parceiros”, em que as canções do artista panamenho  surgem com versões assinadas por Zeca Baleiro, Nei Lopes, Ivan Santos, Fausto Nilo e Lourenço Baêta. A versão física dos dois álbuns pode ser encomendada no site oficial de Rubén Blades.

Rubén Blades é um artista que acredita na unidade dos povos latinos e a realização do projeto mostra isso. Além da colaboração direta dos artistas brasileiros, o álbum foi gravado nos estudios Tenda da Raposa e MP Studio (Brasil) por Carlos Fuchs e David Brinkworth; no PTY Studios (Panamá) por Ignacio “Nacho” Molino. Editado e mixado em Rochester (EUA) e no Panamá. por Molino e Roberto Delgado. E, finalmente, masterizado em Buenos Aires por Daniel Ovie.

Leia mais em:

Boca Livre não resiste à polarização política

 

Deixe uma resposta