MPBRock Brasil

Documentário ‘Os Quatro Paralamas’ apresenta o quarto elemento

quarto paralama

Um baú de fotos antigas se abre, e revela recordações afetivas dos primórdios de uma das bandas de rock mais bem-sucedidas da música brasileira: os Paralamas do Sucesso. No documentário “Os Quatro Paralamas”, que estreou na grade canal por assinatura Curta!On, os diretores Roberto Berliner e Paschoal Samora mostram mais que uma trajetória musical e, sim, a história da amizade entre Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone e um “quarto elemento” pouco conhecido: José Fortes, o empresário da banda.

Fortes com Herbert, Barone e Bi nos bastidores de um shows dos Paralamas nos anos 1980 - Foto: Acervo Pessoal
Fortes com Herbert, Barone e Bi nos bastidores de um shows dos Paralamas nos anos 1980 – Foto: Acervo Pessoal

A partir de uma conversa informal entre eles, o documentário vai trazendo à tona essas memórias, ilustradas através de um rico material de arquivo, registrado pelo próprio Berliner desde os anos 1980. Em um dos vídeos antigos, Fortes resume a relação entre os componentes do grupo: “Os Paralamas são, para mim, como uma turma de rua, um time, uma família”.

“Os Quatro Paralamas” mostra, cronologicamente, a formação da banda desde que Herbert se aproxima de Bi e Zé Fortes durante a faculdade, a troca do baterista Vital Dias – que inspirou o hit “Vital e Sua Moto” – por João Barone, os primeiros shows e discos, a histórica apresentação no Rock in Rio de 1985 – e a partir dela, o estrelato nacional e internacional – , além da fase mais madura do grupo.

Também merece destaque a evolução musical do grupo através dos anos: os Paralamas vão deixando de ser uma banda de rock comum, típica dos anos 1980, e ampliam seus horizontes melódicos, com instrumentos e levadas mais tradicionais em outros gêneros musicais, como o reggae, o ska, os tambores africanos da Bahia, entre outros. Assis aqui o promo do documetário:

Fortes, Bi, Barone e Herbert : amizade que atravessa o tempo - Foto: Divulgação
Fortes, Bi, Barone e Herbert : amizade que atravessa o tempo – Foto: Divulgação

Em uma das passagens mais tocantes do filme, os quatro comentam o acidente aéreo, ocorrido em 2001, que tirou a vida da esposa de Herbert e o deixou paraplégico. Neste momento, visivelmente emocionado, Zé Fortes relembra das remotas chances que o artista tinha de sobreviver. No entanto, em seguida, a tristeza dessas lembranças e das imagens da época dão lugar à alegria de seu retorno aos palcos.

O sentimento de nostalgia proporcionado pelas imagens se amplia quando entra o som das canções que marcaram o repertório da banda – e toda uma época. Entre elas, “Meu Erro”, “Quase Um Segundo”, “Óculos”, “Trac-Trac”, “Alagados” e “Saber Amar”. “No fundo a gente é um bando de moleques, ou um bando de velhos se achando moleques”, brinca João Barone, resumindo tantos anos de companheirismo e música.

Produzido pela TV Zero, “Os Quatro Paralamas” foi viabilizado pelo Curta! através de recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

Deixe uma resposta