MPBSamba

Morte de Nelson Sargento significa a perda de um mito

Nelson Sargento

Por Ricardo Cravo Albin
Especial para Na Caixa de CD

Como acentuo acima, as mortes dos amigos são sempre dolorosas. Especialmente quando se trata de um personagem de bem querer público transformado em mito. Nelson sargento, muito justamente o presidente de honra da Mangueira, fará muita falta, até pela intensa participação eu diria de resistência dentro da cultura popular, da sua escola e do samba. Além da pintura, que cada vez é mais valorizada hoje.

Conheci Nelson Sargento desde os tempos dos grupos Os Cinco Crioulos e A Voz do Morro, em que ele se perfilava ao lado dos bambas Anescarzinho do Salgueiro, Jair do Cavaquinho, Elton Medeiros e Paulinho da Viola, o mais jovem do grupo (tinha, na época, anos 60, menos quase 30 anos) e por quem Nelson sempre guardou uma afeição muito especial. Afeição que ele acabou por reiterar, para minha surpresa, a uma provocação que lhe fiz: “Mas você tem uma divindade da MPB que está na frente dos outros em seu coração e que é o Cartola, não é?” “Digo e repito sempre: Cartola parece que nem existiu. Foi um sonho bom na vida da gente, mas orgulho, mesmo, eu tenho é de ter visto nascer o Paulinho, para a vida e para a música.”

A palavra “orgulho” é muito adequada para definir o sentimento que todos nós, amigos do Sargento, a ele devotamos. E por todas as razões. Pelas já alinhadas neste texto e por uma dúzia de outras. Pouca gente sabe, por exemplo, que nosso General do Samba foi também pintor. Tal como Heitor dos Prazeres, ele elaborou uma pintura “naïf” que sempre me enterneceu: são, em geral, paisagens das favelas, cujos primeiros planos estão ocupados por casinhas coloridas. O efeito final desses quadros fez dele um pintor muito interessante, eu diria mesmo tão original quanto o citado Heitor ou o grande Poteiro de Goiás.

Mas não bastaria a um carioca como Nelson fazer sambas, pintar quadros e tocar violão? Nelson tinha aquele “algo mais” que qualifica o verdadeiro espírito carioca de proceder. Ele, acreditem ou não, era capaz de se indignar na defesa dos valores permanentes para o Rio. Como Tom Jobim, o nosso “general” sempre ergueu armas contra a decadência dos bons hábitos cariocas.

“Você notou como as pessoas andam mal-educadas? Você está sentindo como aquele espírito tão carioca de gentileza anda escapando pelo esgoto?” Aflito, quase indignado, ele me questionava sobre esses problemas a mim tão caros. Juntos, praguejávamos. Juntos, nos exaltávamos na defesa de um Rio mais amável. Subitamente, Nelson corta a conversa ao me ver mais excitado do que deveria, agarra o violão e canta, como a pontuar toda essa resistência de que ele sempre foi capaz: samba agoniza, mas não morre.

Nelson Sargento infelizmente agonizou ao morrer por conta dessa pandemia descontrolada e insustentável.
No último show que fizemos juntos (foto em destaque), levei-o ao lado de Monarco ao auditório da Academia Brasileira de Letras (Projeto MPB na ABL) para repassar em fragmentos a luta de ambos pela vida e suas resistências para sobreviver em país tão injusto. Foram consagrados pela fina flor da intelectualidade.

Leia mais em:

Seu Nelson

Nelson sargento – A resistência agoniza, mas não morre*

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *