Uncategorized

RioHarp Festival em versão online até 8/2

RioHarp Festival

A pandemia não impediu a realização do XV RioHarp Festival em 2020. E agora o evento ganha continuidade, turbinado pela Lei Aldir Blanc. Desta sexta (15) até 8 de fevereiro será realizada a 16ª edição com um sotaque latino-americano, também em formato on-line. Instrumentistas do Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Colômbia, Venezuela, Peru, Equador e México participarão festival. Estão confirmados 15 solistas e orquestras ligadas a projetos sociais e educativos. Quem abre a programação, às 13h, é o harpista brasileiro Jonathan Faganello. Os recitais serão transmitidos nas redes sociais do projeto da Cedro Rosa e no site do Rádio Música no Museu.

RioHarp Festival - Jonathan Faganello
Jonathan Faganello – Foto: Divulgação

A harpa é um instrumento de origem muito remota e sua história será tema de palestras ministradas pelo pianista e pesquisador Newton Nazareth nos dias 18 de janeiro, 4 e 7 de fevereiro. Há instrumentos de origens arcaicas, com sonoridade delicada, que chegam como uma mera curiosidade aos nossos ouvidos tão acostumados ao barulho da vida moderna. A harpa vem atravessando milênios sem deixar de se adaptar a diferentes culturas e estilos musicais mantendo os seus adeptos, apesar de não gozar de tantos praticantes ou de um repertório tão amplo quanto o de outros instrumentos de uma orquestra, como os populares piano e o violino. Mais do que uma excentricidade de épocas passadas, a harpa se mostra relevante nos dias de hoje e uma prova disso é a realização de eventos como o RioHarp Festival. 

Apoiado pela Lei Aldyr Blanc da Secretaria Estadual de Cultura e Economia criativa, o festival faz parte do projeto Música no Museu, que completa 24 anos de atividades ininterruptas e há 16 anos dedica um mês à harpa.

RioHarp Festival
Walter d’Harpa – Foto: Divulgação

Além dos harpistas, outros destaques são orquestras de várias comunidades que realizam trabalhos de inclusão social através da música. Irão se apresentar a Orquestra Violões do Forte, um projeto desenvolvido na Comunidade do Pavão-Pavãozinho; a Camerata do Uerê, da Comunidade da Maré; a Orquestra Música para Todos, do Piauí, e a Orquestra da Cavaquinhos, das comunidades de Cabo Frio.

Desde sua edição inaugural, o RioHarp Festival integra o calendário do projeto Música no Museu, uma das maiores séries de música de concerto do Brasil, que nos seus 24 anos de atividades registra um público superior a 1 milhão de espectadores no Brasil e se expandiu para países de todos os continentes levando música e músicos brasileiros para o exterior.

Detentor de 30 prêmios nacionais e internacionais, o projeto foi tema de mestrado, na Universidade de Berlim, na Alemanha.
Na sua programação anual, Música no Museu é dividido em concertos referentes às estações do ano (Concertos de Verão, Outono, Inverno e Primavera) e o de Natal. Em cada mês um tema ou um naipe é privilegiado.

Veja, abaixo, a programação completa:

 

Programação Festival (Janeiro)

Lucas zaracho - RioHarp Festival
Lucas Zaracho – Foto: Divulgação

15 de janeiro – 13 hs: Jonathan Faganello, harpa (Brasil)

16 de janeiro – 13 hs: Baltazar Juarez, harpa (México)

17 de janeiro – 13 hs: Trio Cristian Rodrigues, harpa (Chile)

18 de janeiro – 13hs: Palestra: A história da harpa, com Newton Nazareth, pianista e pesquisador (Brasil)

19 de janeiro – 13hs: Trio Camilo Lopez (Colômbia)

20 de janeiro – 13hs: Nando Araújo, harpa (Brasil)

21 de janeiro – 13hs: Lucas Zaracho, harpa (Paraguai)

22 de janeiro – 13hs: Ernesto Guerra, harpa (Equador)

23 de janeiro – 13hs: Yns Ever, harpa (Peru)

Duo Alicides Sotello - Foto: Divulgação
Duo Alicides Sotello – Foto: Divulgação

24 de janeiro – 13hs: Tatiana Henna, harpa. Orquestra Música para Todos. Regência Maestro Serguei Eleazar de Carvalho (Brasil)

25 de janeiro – 13hs: Duo Alcides Sotelo, guitarra e Alcides Sotelo Jr., harpa (Paraguai)

26 de janeiro – 13hs: Betuel Ramirez, harpa (México)

27 de janeiro – 13hs: Camerata do Uerê. Participação especial: Lucas Petroni, harpa. (Brasil/Argentina)

Lucas Petroni - Foto: Divulgação RioHarp Festival
Lucas Petroni – Foto: Divulgação

28 de janeiro – 13hs: Luis Zaracho, harpa (Paraguai)

29 de janeiro – 13hs: Lucas Petroni, harpa (Argentina)

30 de janeiro – 13hs: Trio D´Ambrosio – Maria Helena Andrade, piano, Maria Celia Machado, harpa e Aizik Geller, violino (Brasil)

31 de janeiro – 13hs: Orquestra de Cavaquinhos de Cabo Frio. Participação especial: Tatiana Henna, harpa (Brasil)

Programação (Fevereiro)

1 de fevereiro – 13hs: Baltazar Juarez, harpa (México)

2 de fevereiro – 13hs: Orquestra Violões do Forte. Participação especial: Ecos Latinos, Patrice Fischer, harpa e Carlos Valladares, percussão (Brasil/Republica Dominicana)

3 de fevereiro – 13hs: A história da harpa, com Newton Nazareth, pianista e pesquisador (Brasil)

4 de fevereiro – 13hs: Clarpa Ensemble – Rosana Salgado, oboé e Juan Davi Duran, clarinete e harpa (Colômbia)

5 de fevereiro – 13hs: Walter d´Harpa, harpa (Argentina)

6 de fevereiro – 13hs: Ecos Latinos, Patrice Fischer, harpa e Carlos Valadares, percussão (República Dominicana)

7 de fevereiro – 13hs: Palestra: A história da harpa, com Newton Nazareth, pianista, pesquisador (Brasil)

8 de fevereiro – 13hs: Nando Araújo, harpa (Brasil)

 

Deixe uma resposta