Rock

Single do AC/DC antecipa álbum de inéditas

acdc
Capa de 'Power Up', primeiro álbum de inéditas do AC/DC desde 2014 - Foto: Divulgação
Capa de ‘Power Up’, primeiro álbum de inéditas do AC/DC desde 2014 – Foto: Divulgação

Sem um álbum de canções inéditas desde “Rock Or Bust” (2014), o AC/DC marcou para 13 de novembro o lançamento de seu 17º álbum, “Power Up”. O longo hiato da banda coincidiu com o agravamento do estado de saúde e morte do guitarrista, compositor e co-fundador do grupo, Malcolm Young, que nos deixou em 2017. Se o performático e talentoso Angus Young brilhava nos palcos com seu uniforme colegial e solos alucinantes, o irmão dominava os bastidores da banda sendo o mentor maior, um dos compositores mais inspirados e o criador de riffs inesquecíveis que marcam a trajetória da banda australiana desde suas origens.

As 12 faixas de “Power Up” têm autoria de Malcolm em parceria com Angus. “Este disco é praticamente uma dedicatória a Malcolm, meu irmão. É um tributo para ele como “Back in Black” foi um tributo a Bon Scott”, avisou Angus em entrevista ao site da revista Rolling Stone, acrescentando que que o disco foi gravado no final de 2018 e início de 2019. Nesta quarta (7/10) a banda liberou o single “A Shot In The Dark” para as plataformas digitais. O audiovisual liberado na versão do YouTube está longe de ser um videoclipe – a imagem de um palco vazio com iluminação em vermelho remetendo á capa do álbum soa como uma reverência à ausência de Malcolm Young. Parece até um teaser, mas a faixa, felizmente, é executada completa. Veja aqui:

“Power Up” marca ainda a volta de Brian Johnson aos vocais. O cantor havia se afastado do grupo por conta de um estado de surdez avançada. A fragilidade auditiva deve tê-lo poupado de ouvir as tentativas malsucedidas da banda em encontrar uma nova voz, incluindo uma experiência com Axl Rose (ex-Guns’n’Roses). O fato é que o baixinho da boina está recuperado e junta-se a Angus, Cliff Williams (baixo), Phill Rudd (bateria) e Stevie Young, sobrinho de Angus e Malcolm, na guitarra.

Em entrevista à rádio Rock 100.5, de Atlanta (EUA), sobre sobre o que os fãs podem esperar do novo trabalho, Johnson disse: “Há muitos rumores sobre a guitarra de Malcolm… Bem, claro, isso não é verdade. Mas o que é verdade é o fato de que Angus e Malcolm fizeram riffs juntos toda a sua vida e realmente tinham muitos deles. E Angus me disse que ele basicamente passou por todos… Então, é realmente verdade que Malcolm está lá, basicamente, em espírito”.

O AC/DC é uma das bandas de rock de maior influência na história, com mais de 200 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo e 71.5 milhões de álbuns vendidos somente nos Estados Unidos. O álbum Duplo Diamante, “Back in Black”, se destaca como o álbum mais vendido por qualquer banda e o terceiro álbum mais vendido por qualquer artista, com vendas globais de 50 milhões de cópias e que ainda sobem. Em 2003, seus integrantes foram incluídos no Rock and Roll of Fame. Em 2010, a banda ganhou seu primeiro prêmio Grammy na categoria de “Melhor Performance Hard Rock” com “War Machine”. Até antes da pandemia, a banda segue lotando estádios em vários continentes, vendendo milhões de álbuns anualmente e gerando streams na casa dos bilhões.

Para este álbum, a banda se reuniu com o produtor Brendan O’Brien, que dirigiu trabalhos anteriores como “Black Ice” (2008) e “Rock Or Bust” (2014). Carregados de energia até a próxima década, o AC/DC orgulha-se de manter seu mundialmente reconhecido DNA sonoro. Veja aqui a relação das novas faixas.

  1. Realize
  2. Rejection
  3. Shot In The Dark
  4. Through The Mists Of Time
  5. Kick You When You’re Down
  6. Witch’s Spell
  7. Demon Fire
  8. Wild Reputation
  9. No Man’s Land
  10. Systems Down
  11. Money Shot
  12. Code Red

 

Veja mais em:

‘Back in Black’, do AC/DC (e do rock), aos 40 anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *