Uncategorized

Trem do Samba fará edição online

Trem do samba

Nesta quarta (2/12) o Rio e o Brasil festejam o Dia Nacional do Samba. Entre todas as comemorações país afora uma das mais significativas é o evento Trem do Samba. Refazendo a rota de viagem de Paulo da Portela (1901-1949), um time de bambas embarca num trem que parte da Central do Brasil rumo à estação de Oswaldo Cruz, reunindo milhares de pessoas com apresentações memoráveis. Tanto que o Trem do Samba integra a lista dos 10 eventos que mais têm a cara do Rio de Janeiro. E assim tem sido nos últimos 25 anos.

Noca da Portela - Foto: Luiz Ricardo Trem do Samba 2020
Noca da Portela – Foto: Luiz Ricardo

Neste 2020, no entanto, por conta da pandemia e da necessidade de isolamento e distanciamento social, a tradicional viagem que desde então será substituída por uma live na quadra da Portela, em Oswaldo Cruz, com a presença das tradicionais Velhas Guardas da azul e branco, da Mangueira, do Salgueiro, da Império Serrano e de Vila Isabel, além de shows de Marquinhos de Oswaldo Cruz, Jorge Aragão, Monarco, Nelson Sargento, Noca da Portela, Marquinhos Diniz , Marlon Sete, Tia Surica e Zé Luiz do Império.

Nelson Sargento - Foto: Divulgação Trem do samba
Nelson Sargento – Foto: Divulgação

“Infelizmente, nosso trem não pode partir do jeito que a gente gosta que é com muita aglomeração e calor humano. Mas sabemos da importância do Trem do Samba para a cultura brasileira e não podemos deixar de comemorar. Mesmo no formato virtual, vamos buscar reproduzir o clima dessa festa tão linda”, promete Marquinhos de Oswaldo Cruz, sempre a frente da organização dessa viagem com a alma carioca.

 

Poupando o patrimônio

Monarco - Foto: Divulgação Trem do Samba
Monarco – Foto: Divulgação

Por motivos óbvios, Nélson Sargento e Monarco – os dois sambistas mais velhos da programação deste Trem do Samba versão 2020 – não estarão na quadra da escola de samba. Vão se apresentar de casa, provando que nem a distância nos separa quando o começa o batuque. Os demais intérpretes e instrumentistas estarão firmes e fortes no palco da azul e branco de Oswaldo Cruz obedecendo a uma distância mínima de dois metros um do outro, além de se submeterem a todos os cuidados de higienização recomendados pelas autoridades sanitárias. “Monarco e Nélson são patrimônio vivo do samba e devem ser tratadas com nosso carinho e  respeito”, justifica Marquinhos. Mais do que certo!

O evento terá ainda vários convidados especiais: Gilsinho (intérprete da Portela); Nilo Sério (mestre de bateria da Portela); Nilce Fran (coordenadora de passistas da Portela), Jeronimo da Portela (baluarte) e Selminha Sorriso (porta-bandeira da Beija Flor).

Fiquem atentos para não perder o trem: a programação começa a partir das 19h. A live será transmitida ao vivo nas páginas de YouTube e Facebook do Trem do Samba e da Fitamarela. Durante a viagem deste Trem do Samba virtual, a solidariedade é mais do que real. Serão arrecadadas doações para o projeto social Mesa Brasil Sesc, com o qual a organização do evento tem uma antiga parceria (já havendo arrecadado, em uma única edição, 2,5 toneladas de alimentos). O samba pede passagem para fazer a alegria de todos. Com a palavra, o Marquinhos de Oswaldo Cruz vai aquecendo a galera lá da quadra:

 

Leia mais em:

A Santíssima Trindade e a praça da Velha Guarda

Deixe uma resposta